domingo, 22 de novembro de 2009

Coisas que Chateiam.

Cheguei à casa, passou um dia, passou dois. Vida normal, vai dar aula, volta, limpa casa, faz tapeçaria, comida, cuida dos felinos, marido. Acordo e passo por uma felina, refastelada no banco do lado de fora. Ainda sonolenta, cumprimento:
-Yom tov, Golda! Trad: Bom dia, Golda! (hebraico)

Vou tirar a roupa da corda e volto pra dentro de casa. Passo por uma felina saindo do meu quarto e cumprimento:

- Yom tov, Golda!

Aí eu paro. Oy. Será que a minha gata é D-us? Mannagia! Onipresença felina???

Corro lá pra fora. Sim! Era uma felina que não era a Golda, apesar de mega parecida. Chamei o caseiro e perguntei o que era aquilo.

- Ói, donana, é uma gata.

Pensei uma coisa feia, mas não disse. Ao invés, falei:

-Sim, mas é de quem?
-Sei não sióra. Apareceu hoje.
- Tenta ver de quem é, por favor?
- Vejo sim.
-Brigada.


Ele não descobriu, claro. Lá onde estamos as pessoas odeiam gatos - segundo papai - e não cuidam mesmo. Eu já acho que é mais não cuidar, porque até odiar dá um enorme trabalho. Manja gente relaxada, que simplesmente acha que bicho, criança, velho, todo mundo que for dar trabalho se vira bem? É, onde estamos também tem gente assim, apesar de ter muita gente boa.

Fim da opereta? Depois de uma viagem de mais de 2 horas num calor senegalês, ela chegou ao meu pouso aqui no Rio e está no meu banheiro, aguardando pra ser castrada amanhã. Agora se chama Hannah. Se alguém quiser adotar, é só dizer, vou pôr fotos aqui. Acho que ela ficará melhor com quem realmente cuide, já que ninguém da família a reclamou de volta até hoje. Dou cat carona pelo Estado do RJ.

Pindarolas. Querem apostar como quando eu levar ela de volta vai ter gente me enchendo e reclamando que eu castrei? Palavra que mando mascar sapóleo! Eu hein?

3 comentários:

neko disse...

ah, menina, é assim mesmo. quando arthur estava na rua, feio, magro e cheio de vermes, ninguem jogava nem um pao velho para o coitado. quando comecei a cuidar, ficou bonito, era mais quem queria levá-lo para casa. é a mesma coisa com as gatinhas filhotes que pego. ninguem quer gato, ainda fêmea e sem castrar, impossivel doar. e ainda me chega alguem, a gatinha toda gordinha, feliz e saúdavel depois da castração, dizendo que é MALDADE ¬¬
que bom que essa menina achou você no caminho dela :) manda fotos, ok?
abraços!

Ms. Anabela disse...

Neko, eu resolvi não castrar e levar de volta como estava. Meu pai me meteu pavor, disse que o irmão da suposta dona já esteve preso, já levou facada, enfim.... Já tive gente de péssimo nível no meu pé e sei como é.

Eu vou ver se vou á delegacia registrar o abandono, mas mesmo assim, tenho medo. Gentinha é gentinha...

neko disse...

ah, entendo. poxa, que pena, ela castrada seria mais feliz. mas, fazemos o que está em nosso alcance, não é? amanhã lá vou eu para a universidade que meu pai ensina tentar resgatar uma gatinha pela 2 vez, que ele alimenta a algum tempo. tomara que eu consiga :) essa vai pra castrar :D
abraços!
( se quiser, me adiciona no orkut :) otávia mello, estou no da andrea )