quarta-feira, 7 de julho de 2010

Irritação

Uns meses atrás, uma amiga e também minha chefe, além de esposa de um deputado federal, veio me contar a novidade: um felino estava fazendo parte da equipe do distinto representante. Fiquei toda feliz, geralmente o povo do legislativo são almas sebentas que só pensam em maldade. Mas achei que ele era diferente. Enfim...


Semana passada, minha amiga veio comentar comigo da castração do felino (chamado Juca) e eu ajudando, dando nome de vet, arrumando desconto. O Juca ia ficar comigo até ficar bom e depois voltar pra casa dele, que é o escritório - Juca é um cara muito trabalhador.


Mas eis que ontem me liga a secretária deles - com quem andei falando por conta da castração e etecéteras - desesperada, porque a sogra do deputado queria expulsar o Juca naquele mesmo dia, sem ligar pra nada, na base do se vira e dane-se. -Não quero mais esse bicho aí porque vai chegar material de campanha. Esse gato tem que ir embora HOJE! - mesmo que eu só possa ir pra casa no dia seguinte, mesmo que a castração demande cuidados, mesmo que ele não tenha pra onde ir.


Ela - a sogra - é uma senhora bem difícil de lidar mas nunca imaginei que pudesse ser má. Também nunca imaginei que o deputado fosse se omitir. Perdeu meu voto. Se ele se cala por um gatinho que ele conhece e sabe que vai ficar ao relento, como vai fazer com o resto?

Enfim, Juca tá na casa da secretária, deve ter sido castrado hoje e eu vou ficar com ele até a campanha acabar, se bem que tou vendo que é pra eu ficar com ele. Eu, com filha doente e o cacete a quatro. Aliás, fiquei sabendo que eu ia ficar com ele até o final da palhaçada, digo, campanha eleitoral, pela secretária. Nem minha chefe me avisou! Eu que me dane, mesmo com oito filhos e a coitada da moça, que tá doente pelo felino, que se lixe também. E quando acabar a campanha eles vão entregar o escritório, pra onde vai Juca? A secretária mora com a mãe e avó, que nem querem ouvir falar no felino. Em outras palavras, o deputado e família estão se livrando do pequeno, ao invés de resolver com amor e cuidado.


Vou pegà-lo hoje e aí tiro fotos, posto aqui. Vamos ver se alguma mãe se interessa. Juca merece mais que almas sebosas por perto. E o curriculo dele é bom: experiência com arquivos, atendimento ao público...


Se não adotar, alguém quer contratar o Juca?





PLANTÃO MÃES DE FELINOS, URGENTE!!



Renata -- a secretária -- vai tentar ficar com Juquete e convencer a mãe e a avó! VAMOS TORCER, GENTE!!!!
OUTRO PLANTÃO! FOTO DO JUCA!
PS: o felino da foto É o Juca, instantâneo clicado pela mãe dele, que autorizou a publicação!

8 comentários:

A Paraíso disse...

Boa sorte na campanha do Juca!

Ms. Anabela disse...

Brigada, nêga. Se eu precisar, vou pedir pras outras mães pra divulgarem.

Que gente ruim, visse?

Beijos

Diana disse...

Olá! Me deixa muito triste quando as pessoas tratam os indefesos assim...pra inicio de conver pra quê arrumar gato se não dá pra cuidar, é facil jogar o "problema" para cima dos outros! Isso me revolta!

Peço permissão para quando vc tirar as fotos, eu divulgar a adoção do Juca também. Seria possível? Eu iria direcionar o link para cá!

Daniela Tórgo disse...

Pobrezinho me dá uma dor no coração ver um pobre bichinho sendo escanteado assim, simplesmente não consigo entender, que o Juca tenha muita sorte com os proximos donos.

Renata disse...

Primeiro, obrigada, Anabela por divulgar a história aqui, obrigada, principalmente, por toda ajuda que você vem me dando nessa história do Juca.
Obrigada também às pessoas que se solidarizaram ao Juca e se colocaram à disposição pra ajudar na divulgação de uma adoção.
Eu sou a Renata, a secretária que cuidava do Juca desde o dia em que ele apareceu lá no escritório (eu que dei o nome pra ele, inclusive), no final do ano passado. Passei dias angustiantes com essa iminente despedida, vivi um stress que realmente acabou comigo, mas, graças a Deus, algo iluminou a cabeça da minha mãe e da minha vó, elas permitiram que ele viesse pra minha casa depois da castração e ele (não eu) as convenceu de que merecia uma chance de ser definitivamente adotado por nós.
Minha mãe topou uma semana de experiência e as chances dele ser promovido cresceram consideravelmente nesses 2 últimos dias.
O Juca ganhou minha vó, dobrou a minha mãe, de quebra, conquistou um monte de fãs e agora não sou a única que tá torcendo pra ele ficar. Se Deus quiser, o gatinho executivo vai ganhar uma casa nova, definitiva, e muito amor, mais do que eu já dava a ele.
Como todo processo de adaptação, ainda rola uma desconfiança dele com o novo ambiente e novas pessoas, ainda anda cabreiro, se assusta com qualquer barulho, mas acredito que é questão de tempo. Ele foi tirado de uma casa, onde tinha liberdade total e veio pra um apartamento, é fato que a mudança confunde, mas, sinceramente, sinto que ele tá melhor aqui. Lá ele ficava sempre pelo quintal, longe até de companhia. Eu ia atrás várias vezes por dia, dava um oi, fazia carinho, mas os limites impostos pela chefia não colaboravam.
Não é à toa que o bonito já tratou de garantir um lugar pra dormir aqui: a minha cama. hahahahaha
Eu tenho PAVOR de gente que maltrata bicho, acredito piamente que essas pessoas são capazes de TUDO contra outras pessoas. Me doía muito ouvir que o meu gato (eu o adotei desde o início, era meu por direito) ia ser colocado na rua. Minha sensação de impotência diante daquela situação era de matar, porque se eu morasse sozinha, ele já estaria comigo desde o primeiro dia.
Vou ser sincera, nem sei se o deputado sabe dessa história, ele fica a maior parte do tempo em Brasília, nem sempre fica sabendo do que acontece nos bastidores, mas também não sei se garantia a estadia do gato. A verdade é que a decisão era da sogra, ela quem manda. Não entendi, não concordei, mas respeitei, trabalho pra eles, o máximo que podia fazer era bancar a segurança do Juca e tirá-lo LOGO dali. A urgência, nesse ponto, não era mais pela ordem e, sim, pelo bem estar do bichinho. Queria ele bem longe daquela vibe!
Bom, já escrevi muito, o primeiro de muitos textos que vou largar por aqui. Agora,(e se Deus quiser definitivamente) sou oficialmente uma mãe de felino. hahahahaha
Vou precisar da ajuda de vocês até me habituar com essa nova condição.
A propósito, tenho duas chinchilas em casa e achei que o convívio entre elas e o Juca seria impossível, já tinha bolado altos planos mirabolantes pra evitar que o gato as confundisse com brinquedos vivos... Tudo em vão, por enquanto! Não despertaram nem a curiosidade do Juca ainda, ele olhou, se aproximou da gaiola, cheirou e seguiu a vida dele normalmente, como se a vida inteira lidasse com chinchilas. hahahahaha
De qualquer forma, tô tendo cuidado com os 3, torcendo pra que eles convivam em harmonia.
É isso...
Obrigada por tudo, galera! Torçam pra que o Juca fique, vai fazer bem pra ele e pra mim.
Beijos

Renata Seixas disse...

Escrevi um comentário aqui que ficou muito grande, então inventei um negócio aqui porque gostaria MUITO de responder à altura.
Cliquem aí no link, que vai abrir uma imagem com todo o meu texto: http://img18.imageshack.us/img18/7679/maesdefelinos.jpg
Anabela, se você puder postar esse link no post, seria mais fácil de todas lerem. Obrigada, querida!
Beijos

Ms. Anabela disse...

Renata como eu digo pra geral há mais de 20 anos: passe a ajuda adiante, ajude mais alguém que precise! :-D

Tira foto deleeeee! Garanto que a galera que ver!! :-D

Quer que eu faça certidão de nascimento pra ele? :-D Fiz pra uma mãe, ela adorou... hihihihihihihih! :-D

Beijos mil!!!!

Andrea Raffai- Mamãe da Mel, do Fred, do Jack,da Nina e da Bianca disse...

Mais uma história com final FELIZ !!!
Que maravilha, agora o Juquinha tem uma casa com amor e cuidados, parabéns Renata pela sua garra e vamos torcer muito para que todos em sua casa o aceitem.

Grande beijo