domingo, 10 de junho de 2012

Sono de Mãe

Era uma tarde lenta, daquelas que passam tão devagar que chegam a parecer eternas. Nino esticou a mão e depois a outra. As pernas bem espichadas. Abriu os olhos e viu a mãe ali ao lado, dormindo profundamente, aninhada nos travesseiros.. 

O pequeno deitou no quadril dela e ficou observando as bochechas branquinhas que nem o pêlo dele, com a pele que ficava rosinha por qualquer coisa, que nem com ele também. O cabelo cheio de cachinhos, com os quais ele brincava quando neném e brinca até hoje. Deu uma cutucadinha. O cacho derreteu ombro abaixo da mãe e ele mordiscou, fazendo com que ela se virasse. Foi ele abaixo e depois acima, de volta pro quadril, mais pra cintura agora. Estava quentinho e a mãe sorria. Decerto sonha - pensou Nino. Mas com o quê sonharia mamãe? Com a pedra quente do quintal onde todos se deitam? Com a cozinha lotada quando ela faz o almoço? Nino chegou o nariz bem perto. Ela fez um barulhinho engraçado, quase ronronou. Estranhou o ronrom aleatório no ciúme e miou alto. Ela abriu os olhos e abriu o sorriso mais feliz, espreguiçando. 

- Como o que você sonhava, mamãe? - pergunta Nino, roçando a cabeça no queixo macio dela. 

A mãe olha os olhos castanhos nos olhos amarelos dele. Naquele momento Nino soube que a mãe sonhava com o Amor e acordava com a Saudade.

8 comentários:

Leti Abreu disse...

Como é gostoso, né? lindo o texto. Lembra quando eles me acordam com beijos

Repositório disse...

Own, que lindo.

Anna disse...

Obrigada, meninas... Beijos!!

Porque não sou mais seu cliente... disse...

Muito bom seu texto Anna.
Abraços

Rodrigo Rennó disse...

Ótimo texto Anna.
Só quem convive com essa turminha sabe o que é isso.
Abraços

Anna disse...

Valeu, Rennó e Cliente... :)

Linda disse...

Que lindo!
Na minha cama ( de casal tamanho padrão) dormimos: maridão, eu, Rodolfo, Bartolomeu, Bia e Lia.
Eles se encaixam onde temos curvas e ali se ajeitam.
Imagina passar a noite toda na mesma posição? rs
Mas ainda que fingindo se incomodar, meu marido não se mexe para não espantá-los e eu, mãe babona que sou, faço mil malabarismos para levantar e ir ao banheiro, mas atrapalhar o sono dos anjos dos meu filhos, jamais!

Carol Hepe disse...

Lindo texto! Sou acordada todos os dias com ronronados, patinhas se esticando, corpinho macio se esfregando no meu... E quando ela não vem, meu dia não é o mesmo! =^.^= <3