quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Depressão Animal.

Não, não tem coisa nenhuma a ver com o Edmundo nem é uma enorme depressão no ser humano. É coisa que dá nos nossos filhos mesmo. A Andrea achou estas informações, que acho bom todas as mães e pais estarem atentos - ela viu aqui !

Nossos amores podem ficar deprimidos. Mas como assim? Eles têm tudo!

Mas será que querem esse tudo?

Imagine que seu olfato é poderosíssimo e alguém enche você de perfume. Olha que inferno! E se te obrigassem a andar com uma gargantilha sufocante? Mulheres fazem isso por vontade própria, mas o felino é livre! Eles sofrem! É difícil saber o que causa problemas psicológicos nos animais, mas o maior responsável é o ser humano, explica o veterinário Nivaldo Albolea.

Ciúmes, morte de outro animal e viagem do dono são fatores que podem provocar depressão e ansiedade. Mas o veterinário garante que esses isso é coisa que dá e passa. Mas nós, como mães, já escutamos quantos relatos de felinos que simplesmente se deixam morrer? Com minha filha em parte foi assim. Vamos então às idéias para ajudá-los se a nuvem cinza estiver em cima deles:

* Nenhum gato precisa de uma cama que custou os olhos da cara! Ele prefere um pedaço de cobertor velho, desde que ele possa ficar quentinho e olhar para você.
* Dedique mais tempo para ele: brinquem e estejam juntos.
* Permita que ele seja mais bicho e menos gente! Afinal, somos mães de felinos, não de meninos e meninas que pedem nosso cartão de crédito pra gastar no shopping...heheehe!
* Não o submeta a rotinas estressantes.
* Aprenda a entender o que ele está pedindo.

Sinais de que algo está errado:
* Lamber as patas e a barriga compulsivamente, chegando a provocar ferimentos
* Descuidar da higiene
*Fazer as necessidades fora do lugar habitual, para chamar sua atenção
* Ficar mais agressivo
* Parar de comer ou mesmo devorar tudo que vê pela frente, tornando-se obeso ou - pior! - diabético

Como reverter um quadro de depressão animal:
- Uma boa conversa com o veterinário - se ele já for dizendo que é frescura, troque de vet!
- Florais e medicamentos homeopáticos
- Exercícios físicos - aquela bolinha de papel, a caixa de papelão com catnip...
- Sessões de acupuntura
- Antidepressivos (somente em casos extremos e com acompanhamento veterinário)

Olho nos nossos bebês! Mens sana in corpore bichano! :-)

PS: esse texto foi adaptado de um da Bia Levischi, do Gatoca. A íntegra tá aqui!

2 comentários:

Milene disse...

Oi gente,

Em Abril uma das minhas filhotas foi atropelada e infelizmente faleceu. A gente ficou arrasado, mas acho que nimguém ficou pior que uma das irmãs dela (não de sangue, de criação). Ela parou de comer, não se lambia (ela aaama se lamber, é super vaidosa), só ficava dormindo e escondida em baixo do sofá. O vet nos alertou para a depressão (Dr. Gustavo, da Clinvet de Rio Claro-SP, super ótimo), e começamos a dar muito mais atenção pra ela e ela foi se recuperando.. mas ficou bem mal quase um mês!

Depois dizem que gatos não tem sentimentos...

Beijo e parabéns pelo blog!

Ms. Anabela disse...

Milene, eles sentem e muito. Minha mais velha morreu de saudade do pai.Ainda bem que pra sua teve tempo.

Bjos e venha sempre.