quarta-feira, 16 de setembro de 2009

História da Lara, filha da Janete.

Mamães e papais. Eu conheço a história da Lara, acompanhei cada cirurgia, cada ponto. A Lara é a prova que a maldade humana existe e que também existe o bem imenso, além da vontade de viver por ter um lar de Amor.

Segue o relato da Janete:

Há alguns anos, Chica teve os bebês na marcenaria onde meu marido trabalha. Ela tinha aparecido lá faminta, ele foi cuidando e ela acabou ficando. Já era a segunda cria dela por lá.

Na primeira, foram todos adotados e eu fiquei com o Vaca, um gatão lindo e carinhoso. Da segunda vez foram 4 filhotes. Uma das menininhas não conseguiu sobreviver. Castrei a Chica e a trouxe junto com os filhotes - Lia, Lara e Luk - para casa. Foram crescendo, ficaram lindos.

Não tinhamos vizinhos muito próximos, os muros eram altos e eles cresciam seguros. Mas a danadinha da Lara gostava de passear pelo muro. Nunca arriscou descer do outro lado, que era muito alto. Mas um dia ela sumiu. Ela estava com 11 meses e era a mais linda, esperta e amorosa de todos. Enlouqueci, procurei, procurei, avisei todo mundo, divulguei. E nada.

4 dias sem noticias. Uma madrugada ouvi um miadinho fraco. Levantei correndo, ela entrou rastejando pelo portão e desmaiou no meu colo. Suja de sangue e terra, desidratada. Levei correndo para a veterinária, estabilizamos, fizemos raio-x e a noticia: foram tiros. Três tiros de revolver. Quem atirou levou ela longe no mato e jogou, pensando que estava morta.

Começou uma louca corrida pela vidinha da Lara. Fizemos tudo que foi possivel, mas a patinha necrosou e foi preciso amputar. Dor, sofrimento, horror, ficaram estampados na minha mente para sempre. Nenhum ser vivo merece sofrer assim. A recuperação foi lenta, teve que reaprender a andar só com 3 patinhas. Resultado: a outra ficou sobrecarregada e doía.

Eu ajudava ela, mas a guerreira logo conseguiu ser independente. Aí, apareceram as hérnias na barriguinha, nos locais onde os tiros pegaram (passaram de raspão mas rasgaram os músculos). Cirurgia, sofrimento, recuperação. Outra hérnia, mais uma cirurgia, muito mais sofrimento. Dessa vez, achei que ela ia desistir. A dor era muita, o músculo estava esgarçado, foi todo remendado. As injeções foram tantas que começaram aparecer feridas nas perninhas. Verdadeiros buracos. Magrinha, fraca, mas digna: Nunca fez um xixi fora da caixinha.

Eu carregava ela o tempo todo. Lutadora, não desistiu, ficou forte, o pêlo cresceu, ganhou peso, ganhou vida. Ficou mimada e muito mais grudadinha em mim. Não me larga um só minuto e faz mais artes que todos os outros juntos. Sobe na pitangueira que eu tenho no quintal. Já conseguiu subir no telhado por uma escada que esquecemos encostada na parede. Colocou todo mundo louco pra conseguir tirar ela de lá. Agora a gente lembra e ri, mas na hora quase enfartei.

Lara é minha estrela, minha luz, minha filha amada. Nunca descobri quem atirou, e às vezes acho melhor assim, pois não sei o que eu seria capaz de fazer. Tenho minhas desconfianças, mas nunca tive certeza. Papai do Céu se encarregará disso.

Há um mês a Chic, mãe da Lara, nos deixou. Era bem velhinha, tão doce, deixou um vazio, mas a certeza que teve seus últimos anos de vidinha num lar cheinho de amor.

E a Lara? Bem, a Lara está aqui me ajudando escrever, enquanto esfrega os bigodes nas minhas mãos.

5 comentários:

Karla e Armando disse...

A Lara é um milagre.
Tenho lagrimas nos olhos e sorriso na boca por ver (foto) mais abaixo o resultado de tanto amor.
Obrigada Janete, por nunca ter desistido.
Paz e Saúde!
Karla.

Janete disse...

Valeu à pena a luta. Lara é um presente de Deus na minha vida. E também só posso agradecer todos os amigos que me ajudaram tanto. Sem vocês eu não teria conseguido. Lara é nossa!

Anônimo disse...

É Janete, Deus nos coloca estas coisinhas em nossas vidas para aprendermos com elas.
A minha Melzinha também não desistia, foi uma guerreira também, até o último instante ela não perdeu seu brilho.
Parabés pela preserverança e o amor dedicado a esta bebê, ela com certeza ainda lhe trará muitas alegrias.

Beijos

Andrea Raffai- Mamãe da Mel, do Fred e do Jack disse...

Nem preciso dizer que a Larinha é uma vitoriosa e a mamãe Janete também.
Não podemos desistir nunca, mesmo que saibamos que não tem jeito, um simples olharzinho desses bebês é tudo na vida de uma pessoa.

Parabéns pela linda his´toria de amor e vitória.

Jaq disse...

A cara da Larinha na árvore dá pra ver que ela esta feliz, e que esqueceu tudo o que aconteceu...porque o amor transforma, revigora, tras vida!!