domingo, 23 de janeiro de 2011

Você Acha Legal Deixar seu Gato Andar por Aí?

È mesmo? Então leia...

ABANDONADOS - O SILÊNCIO DOS INOCENTES (por Claudia Porto, em Gatos do Rio )
A dor dos abandonados se espalha de norte a sul do Brasil. Em praças, hospitais, parques, terrenos baldios e áreas abertas de todo o país, centenas de filhotes e adultos são despejados todos os anos, nas piores condições possíveis.

Sofrendo com a violência e a crueldade humanas, estes animais não recebem nenhum olhar generoso por parte da maioria da população. São perseguidos e capturados, condenados a viver uma vida de párias sob a acusação de transmitirem doenças, emporcalharem os parques e praças e destruírem a fauna nativa.

Discute-se muito se a violência contra os animais têm crescido nos últimos anos na mesma proporção em que cresce a violência contra a sociedade em geral. Sem dados estatísticos precisos, é difícil definir essa questão.

O que se sabe com certeza é que são cada vez mais freqüentes os casos de crueldade e maus tratos que vêm ao conhecimento público. A cada dia aparecem dezenas de novas denúncias e descobrem-se novas formas de barbárie. A imaginação humana parece não ter fim, não parece haver limites para o sadismo de nossa espécie... Não há nenhuma ética nessas mentes doentias.

São muitas as histórias, são muitos os relatos...

Em 2001, no Clube Militar, RJ, os gatos que moravam em um buraco foram perseguidos com um extintor de incêndio e tentou-se capturá-los utilizando pedaços de plástico, vedando em seguida a saída. Dois anos antes, a direção do Clube já havia tentado eliminar os gatos da mesma forma.

Em janeiro de 2003, um funcionário do Supermercado Nacional, em Rio Grande, RS, matou com requintes de crueldade um gato que havia entrado no estabelecimento. O crime, presenciado por um motorista de táxi, foi ordenado pelo gerente. O gato foi arrastado por uma corda presa ao pescoço, e atirado contra o meio fio da calçada em frente, como se fosse um pedaço de pano.

Em maio de 2003, em Mirassol, SP, a polícia prende um aposentado apanhado em flagrante enquanto tirava a pele de um gato siamês no quintal de sua casa. Dentro de casa, haviam mais dois gatos. O acusado confessou que tinha hábito de roubar os animais das vizinhanças e comê-los.

Na Praça Antero de Quental, RJ, existiam cerca de 14 gatos, a maioria extremamente mansos; todos castrados e vacinados. No dia 12 de junho de 2003, aproximadamente ao meio dia, um senhor branco, que aparentava ter cerca de 60-70 anos soltou um cachorro de grande porte, incitando-o contra os gatos, apesar dos apelos de transeuntes. O cão trucidou a gatinha mais velha, que não conseguiu fugir, e rosnava agressivamente em cima do corpo gato até para o proprio dono. O senhor conseguiu sair com o cachorro quando ameaçaram de matar o animal. No dia seguinte outro homem, que gostou da cena, ameaçou que, de madrugada, iria acabar com o restante dos felinos. Os dois individuos não foram identificados para que se pudesse tomar alguma outra providência. Mas a história não termina aqui. Cães foram e vem sendo usados incessantemente para destruir colônias de gatos em vários locais da cidade, como aconteceu no Extra Boulevard.

Em outubro de 2003, um policial mata uma gata no 23º Batalhão da PM, no Leblon, RJ. O policia segurou a gata pelo rabo acima da cabeça e a atirou na parede repetidas vezes, torturando-a até a morte. A violência foi tamanha que, ao se fazer a autópsia, constatou-se que a coluna da gata estava quebrada.

No início de maio de 2004, a polícia investigou envenenamento de animais em ruas da Tijuca, RJ. De acordo com o que foi divulgado, um serial killer atacou nas ruas do bairro, matando pelo menos 11 animais. Para envenenar os animais, o criminosos jogava dentro de todas as casas carne com chumbinho além de espalhar o petisco pelas calçadas para atrair os animais que passeiam pela vizinhança.

Na Flórida, EUA, um menino de 8 anos tortura um gato de 4 meses de idade, provocando fraturas no crânio e na boca do animal. O crime é considerado pelas autoridades um "delito menor".

No Colorado, EUA, pelo menos 42 gatos foram mutilados e mortos. Os órgãos foram retirados cirurgicamente e colocados enfileirados ao lado dos corpos. A polícia procurou o serial killer, em vão.

Uma senhora inglesa teve sua gata raptada e recebeu pedaços de sua orelha pelo correio. O animal voltou para a casa depois disso. Em outras ocasiões, a gata já havia sido queimada e envenenada.

Uma vez, voltando para casa, vi um automóvel acelerar apenas para passar por cima de um gato preto que se atreveu a atravessar a rua justamente naquele momento. Os segundos de agonia a que assisti ficarão marcados como um pesadelo que se repete para sempre.

Um filhote foi jogado da janela de um ônibus em meio ao trânsito; felizmente, sua vida não durou mais que poucos segundos.

Um persa, adulto, é jogado pela porta de um carro em uma rua movimentada do Rio de Janeiro.

Um gato aparece em sua casa pela manhã com uma flecha, disparada por um arqueiro anônimo.

Outro amanhece com a língua pela metade, cortada por algum lunático. Uma gatinha é encontrada queimada e com o rabo quebrado.

Um pequeno gato é girado pela cauda até arrancá-la.

Vários gatos de rua têm os olhos furados por adolescentes que fazem dessa prática um passatempo das tardes de sábado.

Animais são espancados, chacinados, torturados e envenenados diariamente em todo o país. A lista não parece ter um fim.

O abandono resulta em mais tragédias. A violência contra os animais de rua se amplia, apoiada no desamparo e na inocência dos mesmos, incapazes de reconhecer o perigo vindo de seres que aprenderam a não temer, mas a amar.
***********************

E aí, você ainda acha que seu filho merece ser livre?
Acha mesmo? Puxa....
O que ele te fez pra você o odiar tanto?

11 comentários:

Alice disse...

Sem comentários...

Ms. Anabela disse...

Alice, e uma renca de gente ainda acha mó legal os filhos zanzarem... aaaarghhhhh!

Me sinto aqueles pregadores do deserto, falando com CACTUS!!

Anônimo disse...

Confesso q não li todo este post, sou muito fraca para ler os "relatos" tenho 7 os quais vivem "presos", muitos me criticam, dizem q vou contra a natureza felina, até mesmo meu marido acha um absurdo eu mante-los presos, não os peguei por escolha própria estavam jogados no mato dentro de uma caixa, tinham os olhinhos fechados e remelentos, umbigos infeccionados, trouxe os pra casa apenas para cuidar e doá-los visto q tenho 5 cães e moro em chácara e cuidar deles de maneira segura seria inviável, dei mamadeira, acordei durante dias para as mamadas noturnas, levei ao vet pra vermífuga-los e aprender os cuidados básicos, a cada dia q passava me apegava mais e mais a eles, comecei a procurar um tutor responsável, mas não sentia firmeza nos candidatos, me doía o coração ter q separá-los uns dos outros, passei a pesquisar na internet sobre gatos ( encontrei vc e alguns outros) falando sobre a importância da castração, a criação indoor, os cuidados importante, a cada dia q passava tinha mais certeza q não poderia doá-los a ninguém, já me sentia mais segura para cuidar deles, então levei ao vet novamente e castrei todos, decide que seria mãe de gatos tbm, no inicio foi fácil mante-los juntos no banho de sol, mas a cada dia eles queriam explorar um canto a mais do terreno q é bem grande, controlá-los estava ficando muito difícil, eqnto um subia no telhado outros subiam em arvores diferentes e outro tentava alcançar a rua, as coisa ficaram complicadas qndo eles descobriram a casa do vizinho q tem cães bravos e eles teimavam em pular a cerca e xeretar por lá, não tive duvidas de q se quisesse dar a eles um lar seguro e responsável teria q prende-los pra mais tarde não sentir culpa se algo ruim acontecesse a eles, hj eles vivem dentro de um gatil espaçoso, cheio d brinquedos,onde passam o dia todo, a noite os recolho pra dentro da casa, tenho certeza q apesar de não terem a liberdade pra explorar a vizinhança, são felizes e eu tranquila com minha escolha em mante-los assim.
Abraços
Andréa

Ms. Anabela disse...

Andréa, tu é a minha Andréa ou tu é outra Andreá?
De qq sorte, sou tua fã! :)
Bjos!

Anônimo disse...

muito obrigada, eu na verdade é q sou sua fã, estou em Indaiatuba/SP, gosto muito do "Mães de Felinos", como disse aprendi coisas valiosas pra ter certeza q poderia ser uma boa mãe de gatos, mas posto como anônimo pq não sei s conseguiria dar conta de ter um blog pra mim, seria mais uma responsabilidade, então me contento em dar meus palpites e opiniões apenas.
mais uma vez obrigada
Andréa Indaia (pronto, acho q assim saberá q sou...rsrs bjs Moça)

ReCriando disse...

Tenho ÓDIO de quem deixa os seus gatos na rua! Fico muito, muito, muito pau da vida MESMO!!!! É um absurdo!!! Falta de responsabilidade!
Beijos, querida. Ainda bem que pensamos diferente...

ReCriando disse...

Esqueci de comentar... aqui no meu prédio, um vizinho, que mora no terceiro andar, ameaçou jogar chumbinho no quintal do meu apartamento para matar os meus gatos.
Fiz um documento para a síndica, informando que ouvi os "berros" dele com a esposa (claramente para que eu ouvisse) e que gravei o áudio da "conversa". Informei no documento que essa ameaça por si só é crime e que, tenho uma filha humana de 5 anos que também poderia sofrer com o absurdo dito e que, nenhum de meus filhos ficará privado de usar a NOSSA CASA em nenhuma área por causa de um louco que, se tentar fazer alguma coisa contra qq um de nós, será preso na mesma hora, pois farei um registro de ocorrência, de posse da gravação e do documento encaminhado.
Atualmente, o sujeito e a esposa, quando passam perto de mim, viram a cara (o que eu acho ótimo). E sabe pq eles disseram essa barbaridade? Pq eu reclamei que TODOS OS DIAS eles jogavam pela janela do banheiro, imundos, restos de todos os tipos. Jogavam cotonetes, fio dental, papel higiênico USADO, restos de curativos USADOS, etc... E o meu quintal ficava cheio de lixo... Não é lindo? Bairro de classe média alta, amore. Não moro em favela não... Avisei (via documento) que iria entrar em contato com as autoridades caso isso continuasse. Aí, eles berravam de casa que iam jogar chumbinho...
O ser humano é podre, amiga... Completamente.

Beijos, Rê

Ms. Anabela disse...

Oi Indaia! :)
Então, agora sou fã de duas Andreas! :D

, fica de olho nesse teu vizinho. pôr a Justiça em movimento - pra coisa séria - eu sou mto a favor.

Helane disse...

Não consigo aceitar a crueldade humana, é tão mais fácil ser uma pessoa boa! O respeito aos animais é tão simples, faz tão bem ao coração. Lendo estes relatos (algo que, infelizmente sabemos que acontece) me bate uma tristeza profunda. Outro dia, ouvi um relato de um motoqueiro que estava se preparando para passar por cima de um filhote de gato... Graças aos gritos e prantos de uma criança, o motoqueiro desistiu da idéia e o gatinho, salvo. Por que isso acontece, por que certos “humanos” são felizes assim fazendo maldade? Enquanto estou digitando, minha filhota Bibi tá aqui do meu lado, me fazendo companhia, somos unha e carne, mãe e filha, posso afirmar com certeza que sou mais feliz depois que ela chegou na minha vida. Não fui eu que a resgatou, foi ela quem me salvou. Anteontem, tive uma noite feliz, consegui evitar que uma pequenina fosse jogada nas ruas à própria sorte. Consegui um lar pra ela. Ela ainda ta no vet se tratando de uma dermatite mas quando sair de lá, será a princesinha da casa e será feliz! Sei que tudo que eu puder fazer para ajudar os pequeninos, eu farei, farei minha parte pelo menos será menos um a sofrer da crueldade humana. E ainda se dizem humanos...
Beijos meninas,
Helane Costa

Ms. Anabela disse...

Oi Helane!
Ler o teu relato descansa o coração da gente!
beijos

ReCriando disse...

Pois é Anabela... tô de olhos, ouvidos e câmeras atentos!

Eles estão quietos... espero que continuem assim. Por aqui estão todos bem, saudáveis, brincando muito (quando o calor é suportável) e vivendo em paz. E que Deus permita que seja sempre assim!

Beijos! Rê