sexta-feira, 30 de agosto de 2013

E se..

Hoje cheguei do trabalho e meu filho tinha subido na minha cama. Não vomitou o dia todo, miou pra mim, reagiu aos meus movimentos.. Ele não tá nada bem. Os exames dele estão cada vez piores, mesmo com todo o tratamento.. 

Mas e se alguma parte dele ainda estiver forte o suficiente pra fazer ele seguir em frente? E se o nosso amor é tão forte que tá fazendo ele ter algum ânimo? E se, ainda assim, essa sobrevida não estiver sendo boa pra ele? E se alguém pudesse responder: o que é melhor pra ele? E se a gente resolvesse ser racional? E se ele realmente estiver agonizando, mesmo sem demonstrar, e o nosso egoísmo, desespero amor não nos permite perceber isso? E se você pudesse falar, filho?

 Tudo ia ser tão mais fácil.. Só queria saber o que você tá sentindo, de verdade. E espero que seja melhor do que o que tá acontecendo aqui dentro. 

12 comentários:

Anônimo disse...

Já me despedi de duas amiguinhas; Mel teve câncer, Linda teve um AVC. Mel esperou meu filho voltar da escola, Linda, que era enorme, sofreu por três dias. Pedi ao veterinário que desse um fim ao sofrimento da Linda, mas ele não deu. Foram duas situações opostas: Mel sofreu muito, mas estava presente até o fim; Linda já havia ido embora há três dias, mas seu corpo forte lutou até o fim.Observe seu gato. Se você puder ver que ele já não está mais ali, que ele já se foi e só sobrou o sofrimento, acho que vale a eutanásia. Se ele ainda come, faz carinho, ronrona, acho que vale a pena esperar, mas é apenas meu ponto de vista saudoso. Beijo, amiga.

ProfVê disse...

Lágrimas caem dos meus ao ler esta postagem. Digo por experiência que não me arrependo em nenhum momento de todo esforço, de todo minuto, de toda busca, de todo gasto, de todo amor o qual compartilhei com meu filho até seu último suspiro em meus braços.

ProfVê disse...

Lágrimas caem dos meus ao ler esta postagem. Digo por experiência que não me arrependo em nenhum momento de todo esforço, de todo minuto, de toda busca, de todo gasto, de todo amor o qual compartilhei com meu filho até seu último suspiro em meus braços.

Anônimo disse...

Leti,é muito dificil ver nossos filhos doentes,mas uma coisa que sempre faço é conversar com eles.Eu digo que se eles acham melhor partir,que eles podem ir.Que só eu posso sofrer e não eles.E parecem que eles entendem....
Claudia

Anônimo disse...

Nossa, que angústia! Minha filhota tem 18 anos e evito pensar nos momentos finais... Por enquanto, a saúde dela está sob controle. Confio inteiramente na veterinária dela... Se quiser, passo o contato, quem sabe ajuda? Estamos em BH... Força para vocês! Marina e Luana

Marilia Bavaresco disse...

É difícil.
Força aí!

Traveling Cats disse...

Hello, I'm a new follower of your blog (via bloglovin). I don't speak/write Portuguese, but I understand most of it when reading. Have a lovely day.

Maes de Felinos disse...

Meninas, o filho da Leti faleceu em casa, há uma semana. Passou o dia bem, voltou a comer sozinho. Mas teve uma convulsao de manha (coisa de segundos ) e uma à noite, tb mto curta.

De manha, falou com a maezinha dele, se despediu dela e quando ela estava já na rua, a caminho do trabalho, ele tb se despediu do mundo.

Tranquilo, em casa, na cama da mae, sentindo o cheirinho dela, sendo amado.

Maes de Felinos disse...

Hi, Tcats!
Be most welcome!

Patricia Kazama disse...

Eu penso nisso toda noite ,durante o dia , todo!

Patricia Kazama disse...

Eu penso nisso toda noite ,durante o dia , todo!

Patricia Kazama disse...

Eu penso nisso toda noite ,durante o dia , todo!